26 março 2009

Eu já sabia que ia acabar assim

aqui tinha falado do insucesso do computador Magalhães. Já aqui tinha falado do papel, pouco recomendável, que tem feito quem o oferece (José Sócrates). Ainda não tinha ainda falado de quem recebe o computador de borla ou a preços irrisórios.

Conhecia casos reais, mas que não poderia provar aqui no blogue. Corria então o risco de me acusarem de ser preconceituoso, ou até algo pior.

Pelos vistos não demorou muito para que tudo chegasse á praça pública: O Magalhães anda a ser vendido no "mercado negro". Ou seja, famílias que beneficiam do programa e-escolinhas, recebem o computador e depois, em vez de o utilizar para a educação dos filhos, vendem-no para fazer dinheiro.

Atenção !! Mais grave é o que se passa também no programa e-escolas, em que os computadores oferecidos, em troca de valores irrisórios, são mais valiosos e mais facilmente vendidos.

4 comentários:

AP disse...

A superliga "incompetente-mor" está renhida...

Menina Tirsense disse...

Eu também conheço casos, e não me surpreende. Os portugueses foram e são conhecidos pelo mundo fora por essa sua capacidade de encontrar respostas (quase sempre de índole duvidosa) para os seus problemas. É o chamado "desenrascanso"... E em época de crise, estranho seria que isso não acontecesse. É pouco lícito, é certo, mas seria fácil, ou sequer possível, evitar este fenómeno? Só se o Governo distribuísse, com cada computador, um vigilante! Ehehe! Partilho da sua visão das coisas, mas não me parece exequível tentar impedir. A menos que o Governo sujeite as pessoas que receberam os portáteis a apresentações periódicas às autoridades...

Anónimo disse...

31 Outubro 2008
Profissão: Delegado Comercial de Vendas da Microsoft (Sócrates)
ainda bem que colocou um link nesta postagem.

O sr. tratou Sócrates como um delegado comercial. Ele tentou fazer negócios para o país. E bem.
Quando Cavaco foi à Alemanha algumas semanas atrás não tentou fazer o mesmo em relação ás empresas alemãs, que estão em Portugal? Também acho bem. Mas isso mão foi mutivo de crítica.

António Ferro

Luis Melo disse...

Caro AP,

É verdade. Mais renhida que o campeonato nacional de futebol...

Caro António Ferro,

Não foi mOtivo de crítica porque Cavaco levou "n" empresários, mas acima de tudo foi promover as empresas portuguesas - todas.

Sócrates andou objectivamente a vender computadores á JP Sá Couto. Isto porque o governo português não ganha nada com os Magalhães (a não ser publicidade) ou acha que ganha?